ATLAS LINGÜÍSTICO DO PARANÁ

José Pereira da Silva (UFRJ)

 

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná. [Curitiba : Imprensa Oficial do Paraná, 1994], 411 p. ilustradas.

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná: apresentação. [Londrina : UEL, 1996], 10 + 167 p.

Londrina e o Paraná devem se orgulhar do Atlas Lingüístico que lhe proporcionou a “dinâmica” professora Vanderci de Andrade Aguilera como resultado das pesquisas elaboradas para sua tese de doutorado na UNESP, defendida em 1990, e publicado como o quinto atlas lingüístico brasileiro.

Contribuição das mais significativas para a dialetologia e geografia lingüística da língua portuguesa, com a piedosa descrição e classificação sugerida Gaston Paris, o Atlas Lingüístico do Paraná nos garante o registro de numerosas formas dialetais que a velocidade da comunicação eletrônica põe em risco nas pequenas comunidades interioranas do País.

Pode ser que, dento de alguns anos, enquanto a lũa ou luma brilha no céu, cortado pelo caminho de Adão e Eva, e às vezes, riscado de fora a fora pelos fuzilo em noites de tromenta e carmario, ameaçadas pelos pesados burcão, não mais vejamos o nosso caboclo, contemplativo e solitário, esperando pela mãe-de-ouro para realizar seu sonho de uma vida digna e mais humana. Pode ser que não venha assustar as suas noites a ameaça do lobisome na sexta de coresma e a perseguição dos eternos condenados boitatá se pechando no ar entre as copas dos pinheiros.

Pode ser que o cuitelinho deixe de sobrevoar as flores dos campos que se estão extinguindo pela irresponsabilidade e ganância do homem; pode ser que o rico e o loro venham a ser um só; ou nenhum; pode ser que o gavião carancho, o pinhé, o caracará, o penacho e o quiriquiri venham a ser apenas uma ilustração de enciclopédias; pode ser também que o cambau, o manguá, o chacho, o sarilho e o rolete não sobrevivam à força da tecnologia; e talvez, igualmene, se sepultem como como coisas do passado o come queto ou pé-de-cachorro, a pipa ou pandorga, o pinhé ou a gangorra, a surjoa ou a sistente, a curica e a jojoca.

(AGUILERA, 1994, p. 9)

Depois de localizar cartograficamente o Paraná no Brasil e indicar as suas micro-regiões, mostrou os pontos lingüísticos que, segundo Nascentes, deveriam ser pesquisados naquele Estado, assim como os que foram estudados na elaboração do ALPR, os nomes dos municípios e respectivas populações em 1960 e 1980, assim como a identificação das entrevistadoras em cada um deles.

Foram elaboradas 162 cartas lexicais, 19 cartas isolexicais e 10 cartas isofônicas (no verso das quais são acrescentadas notas explicativas suficientemente concisas e claras), além de 6 cartas anexas com a indicação do progresso do povoamento do Paraná nos séculos XVII, XVI e XVIII, XVII a XIX, entre 1900 e 1920, entre 1900 e 1940 e entre 1900 e 1960. No total, são 203 cartas coloridas (6 + 191 + 6), no formato de 31 cm por 42 cm e em excelente qualidade técnica.

Quanto às notas explicativas que Vanderci registrou no verso de cada carta lingüística, deixa claro:

Os objetivos da redação das notas são: apresentar o vocábulo-tema e suas variantes dentro do contexto fônico e frasal no registro dos informantes; documentar as crendices, superstições, simpatias e outros costumes populares que ainda sobrevivem na memória de alguns; esclarecer dados omitidos e/ou dados registrados na carta; e sobretudo apresentar dados que possam suscitar interesse para estudos de natureza etnográfica, morfossintática, lexicográfica e folclórica, entre outros.

(AGUILERA, 1996, p. 166)

Como a publicação das cartas, feita pela Imprensa Oficial do Paraná, não pôde conter a apresentação metodológica (constituída do esboço da história da colonização paranaense, de uma descrição minuciosa dos sessenta e cinco pontos lingüísticos investigados, da caracterização - por localidade - dos cento e trinta informantes, questionário lingüístico, notação fonética e a descrição da apresentação das cartas), a Profa. Vanderci insistiu até conseguir o apoio da Editora da Universidade Estadual de Londrina, que publicou esse não tão pequeno volume complementar do Atlas Lingüístico do Paraná (177 p. em A5) que esclarece quase todas as dúvidas que os professores e pesquisadores possam ter relativamente a seu trabalho e à forma de apresentação final que tomou.

A Professora Vanderci de Andrade Aguilera tem prazer em atender a todos que a procuram para falar sobre o seu trabalho de dialetologia e geografia lingüística no Paraná pelos telefones (43) 371-4102 ou 348-0149 e recebe correspondência na Rua Capitão Vicente Januzzi, 62 - D. Ático - 86061011 - Londrina - PR e no endereço eletrônico aguilera@cercontel.com.br .

Apesar de haver numerosos projetos de atlas lingüísticos municipais, estaduais e regionais em adiantado andamento por esse Brasil afora e estarem prontos diversos outros, poucos têm sido editados por causa do preço que fica uma publicação dessa natureza. Entre esses, é de se considerar o Esboço de um Atlas Lingüístico de Londrina, de Vanderci de Andrade Aguilera; o Atlas Lingüístico do Estado de São Paulo, de Pedro Caruso; o Atlas Lingüístico do Estado do Acre, de Luísa Galvão Lessa; o Atlas Lingüístico do Estado do Ceará, de José Rogério Fontenelle Bessa e outros; o Atlas Lingüístico-Etnográfico da Região Sul, de Walter Koch e outros; o Atlas Lingüístico-Etnográfico do Rio Grande do Sul, de M. Klassmann e outros; o Atlas Etnolingüístico dos Pescadores do Estado do Rio de Janeiro, de Maria Emília Barcellos da Silva e outros; o Atlas Toponímico do Estado de São Paulo, elaborado pelos docentes de Toponímia da área de Línguas Indígenas do Departamento de Letras da USP; o Atlas Lingüístico de Mato Grosso do Sul, de Albana Xavier Nogueira e Valdomiro Vallezi, conforme nos informa Sílvia Figueiredo Brandão em A Geografia Lingüística no Brasil, da série Princípios, da Editora Ática.